A partir de Outubro de 2017, a iniciar o seu 8º ano de existência, o Clube de Leitura em Voz Alta passa a Coro de Leitura em Voz Alta. Continuará a ter uma periodicidade quinzenal e a acontecer na Biblioteca de Alcochete.

Os objectivos continuam a ser os mesmos; promover o prazer da leitura partilhada; a forma passará a ser outra.

Amor




Cristina
Avisos iniciais:

o relatório da União Europeia sobre literacia (em inglês)

O resumo do mesmo relatório (em português)

Para quem quiser pesquisar sobre a bolsa de voluntariado da leitura

De seguida fizemos leituras em grupo com os seguintes textos:


Amor como em Casa de Manuel António Pina

Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que
não é nada comigo. Distraído percorro
o caminho familiar da saudade,
pequeninas coisas me prendem,
uma tarde num café, um livro. Devagar
te amo e às vezes depressa,
meu amor, e às vezes faço coisas que não devo,
regresso devagar a tua casa,
compro um livro, entro no
amor como em casa.


Convida-me só para jantar de Ana Goês

Convida-me só para jantar
E não queiras depois fazer amor.

Convida-me só para jantar
num restaurante sossegado
numa mesa do canto
e fala devagar
e fala devagar
eu quero comer uma sopa quente
não quero comer mariscos
os mariscos atravancam-me o prato
e estou cansada para os afastar
fala assim devagar
devagar
não é preciso dizeres que sou bonita
mas não me fales de economia e de política
fala assim devagar
devagar
deita-me o vinho devagar
quando o meu copo já estiver vazio.

Estou convalescente
sou convalescente
não é preciso que o percebas
mas por favor não faças força em mim.
Fala, estás-me a dar de jantar
estás-me a pôr recostada à almofada
estás-me a fazer sorrir ao longe
fala assim devagar
devagar
devagar.


Se tu viesses ver-me… de Florbela Espanca

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços…

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca… o eco dos teus passos…
O teu riso de fonte… os teus abraços…
Os teus beijos…a tua mão na minha…

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas de um beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca…
Quando os olhos se me cerram de desejo…
E os meus braços se estendem para ti…


Complicadíssima teia – António Botto

Quem põe certezas na vida
Facilmente se embaraça
Na vil comédia do amor;
Não vale a pena ter alma
Porque o melhor é andarmos
Mentindo seja a quem for.

Gosto de saber que vives
Mas não perdi a cabeça
Nem corro atrás do desejo;
Quem se agarra muito ao sonho
Vê o reverso da vida
Nos movimentos de um beijo.

Ando queimado por dentro
De sentir continuamente
Uma coisa que me rala;
Nem no meu olhar o digo
Que estes segredos da gente
Não devem nunca ter fala.

Talvez não saibas que o amor
Apesar das suas leis
Desnorteia os corações;
- Complicadíssima teia
Onde se perde o bom senso
E as mais sagradas razões.


Short & Sweet de José Cutileiro

Short & sweet,
Diz o ditado:
Aroma apenas
Adivinhado.

Da tua vida
Que me ficou -
Depois das mortes,
Das enxaquecas,
Dos livros lidos,
Dos sentimentos,
Das crises místicas,
Das dores de dentes,
De tudo, tudo,
O que foi teu,
Se demorou,
Em ti viveu,
Em ti morreu,
Que me ficou?

Short & sweet,
Diz o ditado:
Foi um silêncio
Súbito dado.

Da tua vida
Que me ficou -
Dos teus amigos,
Dos teus amantes,
Dos teus orgasmos,
Da que foste antes,
Das tuas pernas,
Das tuas cartas,
De tudo, tudo,
O que foi teu,
Se demorou,
Em ti viveu,
Em ti morreu,
Que me ficou?

Short & sweet,
Diz o ditado:
O som que ouvido
Tinha passado.

Da tua vida
Que me ficou -
Depois dos risos,
Depois das lágrimas,
Das obsessões,
Compreensões,
Menstruações,
Indecisões,
De tudo, tudo,
O que foi teu,
Se demorou,
Em ti viveu,
Em ti morreu,
Que me ficou?

Short & sweet,
Diz o ditado.



e finalmente entrámos nas leituras da sessão:

Adília
Do livro "Solteiros, casados e divorciados - como perceber a cabeça dos homens" da autoria de "O Arrumadinho", autor do blog sobre relações mais lido em Portugal, extraí algumas ideias relacionadas com o tema desta semana - o Amor.

1º capítulo - Os Solteiros

1.4 - O Segredo da Felicidade

(...) É viver os dias mais miseráveis de sempre e ter a certeza de que a partir daquele momento a vida só pode correr melhor.

1.6 - A busca por «o tal»

A busca não pode ser uma busca. É importante olhar para a pessoa, para o seu interior e não para o exterior, o que está à volta dela, as suas limitações na vida. Porque essas todos temos. o importante é olhar para tudo o resto que a torna diferente dos outros.

(...) voltar a amar e a sentir vontade de construir algo sólido. Evitar os erros do passado, saber agir em determinados momentos, a estar calado ou falar no momento certo.

Hoje encontrei a «tal» pessoa que estava escrito que ficaria comigo. E tenho a certeza porque é ela que me faz querer ser perfeito, que me faz querer ir mais além em tudo, que me tira do sério com um olhar, que me faz rir às gargalhadas quando está presente e ficar miserável quando não está. A minha busca acabou. Sei que não se deve dizer isto, mas que se lixe. Secalhar senão tivesse a certeza não o diria nem escreveria.

1.7 - As primeiras borboletas

Mais do que longos beijos ternurentos e noites de sexo escaldantes, recordo as pessoas que me fizeram borboletas esvoaçar pelo estômago. Senti as borboletas duas vezes. Na primeira vez tinha 14 anos (...) dei-lhe a mão para a ajudar a levantar-se.
(...)
A outra vez foi quando fazíamos um jogo de olhos vendados (...) ela estava atrás de mim, e para se equilibrar tinha de me segurar, com as mãos nas minhas costas. Mas, em vez disso, ele deu-me as mãos. E eu segurei as dela. E foi aí que se soltaram as borboletas. Foram as minhas primeiras borboletas a sério. Seguiram-se mais dois dias de olhares profundos, de cachorro apaixonado, mas nada. Nem ela me dizia nada, nem eu tinha a coragem de avançar.

1.10 - Almas Gémeas

 É perante os conflitos, as dificuldades, os obstáculos, os choques de personalidade, que descobrimos, verdadeiramente, a outra pessoa. É da capacidade de adaptação (aos defeitos, aos desleixos do outro), da vontade do outro em aceitar os nossos defeitos, da humildade de cada um em mudar o que podemos que nasce o amor, que se constroem almas gémeas.
Noutros casos, há encontros e desencontros (...) fica a lembrança, o carinho, o respeito (...) mas fica a certeza que iremos encontrar outra pessoa à nossa medida.


Miguel
excertos de "Os Lusíadas" de Luís de Camões


Fernando
"Este é o Poema do Amor" de António Gedeão

O poema que o poeta propositadamente escreveu
só para falar de amor,
de amor,
de amor,
de amor,
para repetir muitas vezes amor,
amor,
amor,
amor.
Para que um dia, quando o Cérebro Electrónico
contar as palavras que o poeta escreveu,
tantos que,
tantos se,
tantos lhe,
tantos tu,
tantos ela,
tantos eu,
conclua que a palavra que o poeta mais vezes escreveu
foi amor,
amor,
amor.

 Este é o poema do amor.


Helena Nogueira

"Cantiga, partindo-se" de João Roiz de Castel-Branco

Senhora, partem tão tristes
Meus olhos por vós, meu bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém.

Tão tristes, tão saudosos,
Tão doentes da partida,
Tão cansados, tão chorosos,
Da morte mais desejosos
Cem mil vezes que da vida
Partem tão tristes os tristes
Tão fora d’ esperar bem,
Que nunca tão tristes vistes
Outros nenhuns por ninguém.



Isabel
"Amar" de Carlos Drummond de Andrade


Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar, desamar, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.

Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.



Antónia

O Amor de Fernando Pessoa

O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de *dizer.
Fala: parece que mente
Cala: parece esquecer

Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
Pr'a saber que a estão a amar!

Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar..



Marília

"Amor" de José Luís Peixoto de A Casa, a Escuridão

o teu rosto à minha espera, o teu rosto
a sorrir para os meus olhos, existe um
trovão de céu sobre a montanha.

as tuas mãos são finas e claras, vês-me
sorrir, brisas incendeiam o mundo,
respiro a luz sobre as folhas da olaia.

entro nos corredores de Outubro para
encontrar um abraço nos teus olhos,
este dia será sempre hoje na memória.

hoje compreendo os rios. a idade das
rochas diz-me palavras profundas,
hoje tenho o teu rosto dentro de mim.



João
excerto de "Memorial do Convento" de José Saramago


Fernanda, Graciete, Helena e Cristina


Introdução:
Amor … Amor … Amor … Amor …! Quantas  versões diferentes para uma mesma palavra! Quantas mensagens ocultas  no amor  …
Diz-se que o amor é o motor da vida!
Diz-se que o amor é a razão de se viver!
Diz-se que o amor é o melhor que existe!
Diz-se que o amor é tormento, a falta de amor é morte… ( Marie Von Ebner-Eschenbach
Diz-se que o amor é cego, e os amantes não podem ver as deliciosas loucuras que eles mesmos cometem… (Shakespear)
Diz-se que o amor  que se procura é bom, mas o que se recebeu sem busca é melhor… (Shakespear)
Diz-se que o amor dá espírito às mulheres e retira-o aos homens …
Amores simples amores plurais!
Enfim, poderíamos continuar, eternamente, estas expressões mas, na vida há que fazer opções e também nós fomos obrigadas a fazê-las. Por isso, escolhemos - entre as centenas de poetas possíveis - Vinicius de Moraes, e os seus diferentes tipos de amor.
Somos quatro e, assim, vamos ler-vos quatro poesias que retratam o que aqui afirmámos.
A Cristina vai apresentar-vos “Amor”; A Helena “Ternura”; a Graciete  “Ai, quem me dera” e eu , Fernanda, “Mas que amor de cachorrinha!”.
Vamos então ouvir estas belas mensagens e no final teremos….


Cristina
"Amor" de Vinícius de Moraes de Poesias escolhidas

Vamos brincar, amor? vamos jogar peteca
Vamos atrapalhar os outros, amor, vamos sair correndo
Vamos subir no elevador, vamos sofrer calmamente e sem precipitação?
Vamos sofrer, amor? males da alma, perigos
Dores de má fama íntimas como as chagas de Cristo
Vamos, amor? vamos tomar porre de absinto
Vamos tomar porre de coisa bem esquisita, vamos
Fingir que hoje é domingo, vamos ver
O afogado na praia, vamos correr atrás do batalhão?
Vamos, amor, tomar thé na Cavé com madame de Sevignée
Vamos roubar laranja, falar nome, vamos inventar
Vamos criar beijo novo, carinho novo, vamos visitar N. S. do Parto?
Vamos, amor? vamos nos persuadir imensamente dos acontecimentos
Vamos fazer neném dormir, botar ele no urinol
Vamos, amor?
Porque excessivamente grave é a Vida.

Helena
"Ternura" de Vinícius de Moraes de Antologia Poética


Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

Graciete

"Ai, quem me dera" de Vinícius de Moraes de Poesias escolhidas

Ai quem me dera, terminasse a espera
E retornasse o canto simples e sem fim...
E ouvindo o canto se chorasse tanto
Que do mundo o pranto se estancasse enfim

Ai quem me dera percorrer estrelas
Ter nascido anjo e ver brotar a flor
Ai quem me dera uma manhã feliz
Ai quem me dera uma estação de amor

Ah! Se as pessoas se tornassem boas
E cantassem loas e tivessem paz
E pelas ruas se abraçassem nuas
E duas a duas fossem ser casais

Ai quem me dera ao som de madrigais
Ver todo mundo para sempre afins
E a liberdade nunca ser demais
E não haver mais solidão ruim

Ai quem me dera ouvir o nunca mais
Dizer que a vida vai ser sempre assim
E finda a espera ouvir na primavera
Alguém chamar por mim...



Fernanda
"Mas que amor de cachorrinha!"de Vinícius de Moraes de Poesias escolhidas


Mas que amor de cachorrinha!
Mas que amor de cachorrinha!

Pode haver coisa no mundo
Mais branca, mais bonitinha
Do que a tua barriguinha
Crivada de mamiquinha?
Pode haver coisa no mundo
Mais travessa, mais tontinha
Que esse amor de cachorrinha
Quando vem fazer festinha
Remexendo a traseirinha?

Uau,uau,uau,uau!
Uau,uau,uau,uau!



Ana Maria
"Acho que gosto de ti" de Nuno Cardoso Dias


Por ti
faria a Lua florir
bem-me-queres amarelos,
tulipas vermelhas,
rosas azuis.

Bem sei
que não lhes sentirias o aroma,
assim, a tantos quilómetros de distância.
Mas que importa o aroma que sentes
se o puderes imaginar?

Bem sei
que as flores são pequeninas.
Mas eu plantaria mil delas,
mil de cada, mil milhões
e esperaria, paciente, que crescessem,
até que toda a Lua florisse para ti,
ao chegares à janela.

Bem sei
que na Lua não há oxigénio
e as flores não poderiam sobreviver,
mas eu iria todos os dias
com o peito cheio de ar
e faria respiração boca-a-pétala.
De caminho tratava das lagartas,
(menos duas ou três por causa das borboletas),
e depois entrava na atmosfera de pára-quedas
com a sensação do prazer cumprido.

Bem sei
Que as flores morreriam ao fim de dois dias
por si ou arrancadas
por quem gosta de ver brancas as paredes da Lua.
Mas nada disso importava
se ao menos duas delas conseguissem
abrir-se ao espaço
e encher de pólen as estrelas.

As flores são efémeras, bem sei.
Também eu, tu e o que sentimos.
Mas aqui e agora, a lua é da cor que quisermos.
E eu,
Eu acho que gosto de ti.


Eugénia
excerto de "Vai aonde te leva o coração" de Susanna Tamaro


Ana Brandão
"Amor" Ana Paula Tavares do livro "De viva voz - antologia de poesia"


Anabela e Alexandra
Amor é fogo que arde... de Luís de Camões


Amor é fogo que arde sem se ver;
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente;
é dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
é  solitário andar por entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?



Cíntia

"Sorte Grande" de João Só e Abandonados

Olha lá,
Já se passaram alguns anos
Nem sequer vinhas nos meus planos
Saíste-me a sorte grande

E eu cá vou
Gozando os louros deste achado
Contigo de braço dado para todo o lado

Eu vou até morrer ser teu se me quiseres
Agarrado a ti vou sem hesitar
E se o chão desabar que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti

Meu amor na roda da lotaria
Que é coisa escorregadia
Saíste-me a sorte grande

E eu cá vou
À minha sorte abandonado
Contigo de braço dado para todo o lado

Eu vou até morrer ser teu se me quiseres
Agarrado a ti vou sem hesitar
E se o chão desabar que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti

Olha lá,
Por mais que passem os anos
Por menos que eu faça planos
Sais me sempre a sorte grande

Agarrado a ti vou sem hesitar
E se o chão desabar que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti

vou sem hesitar
E se o chão desabar que nos leve aos dois
Vou agarrado a ti
Vou agarrado a ti
Vou agarrado a ti


a Ana Brandão sugeriu "Morte aos Feios" de Boris Vian

o primeiro namoro livresco do cleva 3.0

a Cristina Paiva trouxe "Os livros que devoraram o meu pai" de Afonso Cruz para a Fernanda





Sem comentários:

Enviar um comentário

O que é, como funciona e regras básicas

O que é o CLeVA? Clube de Leitura em Voz Alta de Alcochete. Um grupo de pessoas que se reúne quinzenalmente, na Biblioteca de Alco...