A partir de Outubro de 2017, ao entrar no seu 8º ano de existência, o Clube de Leitura em Voz Alta passou a Coro de Leitura em Voz Alta. Continua a ter uma periodicidade quinzenal e a acontecer na Biblioteca de Alcochete.

Os objectivos continuam a ser os mesmos; promover o prazer da leitura partilhada; a forma passou a ser outra.

Serra da Estrela e Sonhos (tema gastronómico)


antes de entrarmos no tema do dia a Cristina leu-nos um pouco do discurso
proferido por José Saramago na ocasião da entrega do Prémio Nobel de Literatura em 1998

a Fernanda, a Graciete e a Helena leram-nos a história do queijo da Serra da Estrela.
No fim de sessão pudemos experimentar a última fase por que passa o tão afamado queijo.

a Cíntia leu "Peguei na Serra da Estrela" de Luísa Ducla Soares


a Alexandra e a Vitória leram, debaixo de um forte nevão,
"Alta, imensa, enigmática" de Miguel Torga

o Manuel e a Conceição leram "Pastora da Serra" de Luís de Camões

a Mila leu

a Ana leu um excerto de "Uma aventura na Serra da Estrela" de
Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada

o António leu

Os rebanhos

Logo que as cabras e as ovelhas entestaram à corte, o “Piloto” deu por findo o seu trabalho. E antes mesmo de o pastor, que lhe aproveitava os serviços, se dirigir a casa, ele meteu ao extremo da vila.. Rabo entre as pernas, focinho quase raspando a terra, ia triste, cismático, como perro vadio de estrada, descoroçoado da vida. Subitamente, porém sorveu no ar algo que lhe era conhecido. A cauda ergueu-se num ápice, formando volta que nem cabo de guarda chuva; a cabeça levantou-se também e nela luziram os olhitos até aí amortecidos. “Piloto” estugou o passo. O caminho estava cheio de tentações , de paragens obrigatórias, estabelecidas por todos os cães que passaram por ali desde que Manteigas existia, desde há muitos séculos. Forçado a deter-se ele regava, à esquerda e à direita, rudes pedras,velhos castanheiros, velhos cunhais, mas fazia-o alegremente e com o visível modo de quem leva pressa. Em seguida, voltava a correr no faro do seu dono.Cada vez o sentia mais perto e cada vez era maior o seu alvoroço. Por fim, lobrigou-o. Horácio estava junto de Idalina, também conhecida de “Piloto”; estavam sentados num dorso de rocha que emergia da terra, ao cabo das decrépitas e negrentas casas do Eiró, no cimo da vila.E tão atarefado parecia Horácio com as palavras que ia dizendo à rapariga, que não deu, sequer, pela chegada do cão. Vendo-o assim, “Piloto” hesitou um instante, enquanto agitava mais a cauda e tremuras de alegria lhe percorriam o corpo. Logo se decidiu. E, humilde, foi colocar o focinho sobre a coxa do amo, como era seu costume quando este o chamava, à hora da comida, nos dias em que os dois andavam pastoriando o gado, lá nos picarotos da serra. Só então o amo deu por aquela presença. Ele regressara nessa tarde do serviço militar e, no entusiasmo de ver pai e mãe, os vizinhos e, sobretudo, Idalina, não se havia lembrado ainda do seu antigo companheiro. Agora, porém, afagava-lhe a cabeça e metia, enternecido, um parêntesis na narrativa que estava fazendo:
- Olha o “Piloto”! O meu “Piloto”!

de A lã e a neve de Ferreira de Castro

numa sessão com dois temas, estranho seria não aparecer ninguém a baralhar tudo:
a Antónia não só fez sonhos como leu "A flor do sonho" de Florbela Espanca

o Fernando e a Cristina também leram "Pastora da Serra" de Luís de Camões

a Helena leu a lenda da Serra da Estrela

e isto não podia acabar bem:





Sem comentários:

Enviar um comentário