Com uma periodicidade quinzenal, este clube destina-se a promover o prazer da leitura partilhada, bem como o desenvolvimento de algumas técnicas que a ajudem a pôr em prática.
Para quem gosta de ler para os outros e de ouvir ler.

8 fevereiro 2011 - consciência

C O N S C I Ê N C I A

Os textos desta sessão tinham que ser memorizados. O tema também era apropriado ao esforço consciente da memorização.

Cristina

Brincava a Criança (Fernando Pessoa)
Brincava a criança
Com um carro de bois.
Sentiu-se brincando
E disse, Eu sou dois!

Há um a brincar
E há outro a saber,
Um vê-me a brincar
E outro vê-me a ver.

Estou por trás de mim
Mas se volto a cabeça
Não era o que eu qu'ria
A volta não é essa...

O outro menino
Não tem pés nem mãos
Nem é pequenino
Não tem mãe ou irmãos.

E brinca comigo
Por trás de onde eu estou,
Mas se volto a cabeça
Já não sei o que sou.
Paulo

Caldeirada, de Alberto Janes (aqui pode ouvir-se cantado pela Amália Rodrigues; no blogue o cantigueiro, esta e outras músicas de intervenção)
Em vésperas de caldeirada, o outro dia,

Já que o peixe estava todo reunido,
Teve o goraz a ideia de falar à assembleia,
No que foi muito aplaudido

Camaradas: principia a ordem do dia!
É tudo aquilo que for poluição,
Porque o homem, que é um tipo cabeçudo,
Resolveu destruir tudo, pois então!

E com tal habilidade e intensidade
Nas fulguranças do génio,
Que transforma a água pura numa espécie de mistura,
Que nem tem oxigénio

E diz ele que é o rei da criação!
As coisas que a gente lhe ouve e tem que ser!
Mas a minha opinião, diz o pargo capatão,
Gostava de lha dizer!

Pois se a gente até se afoga!
Grita a boga, por o homem ter estragado o ambiente!
Dar cabo da criação, esse pimpão,
Isso não é decente!

Diz do seu lugar: tá mal!, o carapau,
Porque, por estes caminhos,
Certo vamos mais ou menos ficando todos pequenos,
Assim como “jaquinzinhos”

Diz então o camarão, a certa altura:
Mas o que é que nós ganhamos por falar?
Ó seu grande camarão, pergunta então o cação,
Você nem quer refilar?

Se quer morrer, diz a lula toda fula,
Com a mania da cerveja e dos cafézes,
Morra lá à sua vontade, que assim seja!,
Para agradar aos fregueses!

Diz nessa altura a sardinha prá tainha:
Sabe a última do dia? A pescadinha, já louca,
Meteu o rabo na boca,
O que é uma porcaria!

Peço a palavra! gritou o caranguejo,
Eu, que tenho por mania observar,
Tenho estudado a questão e vejo a poluição
Dia e noite a aumentar

Cai do céu a água pura
E a criatura pensa que aquilo que é dele é monopólio.
Vai a gente beber dela e a goela
Fica cheia de petróleo!

A terra e o mar são para o cidadão
Assim como o seu palácio.
Se um dia lhe deito o dente
Pago tudo de repente ou eu não seja crustáceo!

É um tipo irresponsável, grita o sável,
O homem que tal aquele!
Vai a proposta prá mesa: ou respeita a natureza,
Ou vamos todos a ele!
 Virgínia

Diz-me companheiro (Letra: B. Brecht / Pedro Osório; aqui versão musical de Pedro Osório pelo Grupo Outubro)
Diz-me companheiro
Pra que serve a bondade
Se os bondosos forem sempre perseguidos
Forem presos, torturados, abatidos
E se a vida for roubada
Aos humildes a quem a bondade é destinada

Não basta ser bondoso
É preciso construir o homem novo
O mundo novo
Onde já não seja necessária a caridade
E ninguém defenda o valor da humildade

Diz-me companheiro
Pra que serve a liberdade
Quando os homens que são livres estão cercados
Por irmãos que continuam explorados
Quando os homens têm medo
De perder a liberdade pela manhã cedo

Não basta ser livre
É preciso construir o homem novo
O mundo novo
Onde a liberdade já não seja discutida
E por ser de todos nunca mais seja perdida

Diz-me companheiro
Pra que serve a justiça
Quando só quem não é justo pode ter
O que todos necessitam pra viver
E a justiça oficial
Acha bem o que sabemos todos que está mal

Não basta ser justo
É preciso construir o homem novo
O mundo novo
Onde quem for justo nunca seja condenado
E quem for injusto venha sempre a ser culpado.
O Rodrigo trouxe um excerto do capítulo IV de Varjak - o fora da lei (Varjak sonha)

João

De Karl Marx, in A ideologia Alemã
A consciência é um produto social e assim será enquanto existirem homens em geral
A Isabel não esteve presente, mas o João foi seu porta-voz
Feliz aquele cuja consciência não o acusa
O António deve às insónias o magnífico texto de sua autoria que nos trouxe
TER OU NÃO TER

Será que terei consciência
De ter a consciência
De que tenho consciência?

Ou, pelo contrário,
Será que terei consciência
De ter a consciência
De que não tenho consciência?

Se assim for, calar-me-ei para sempre.
Conscientemente!

Alcochete, 2011-02-08
António Soares
Helena P.

De Sophia de Mello Breyner
Esgotei o meu mal, agora

Queria tudo esquecer, tudo abandonar
Caminhar pela noite fora
Num barco em pleno mar.

Mergulhar as mãos nas ondas escuras
Até que elas fossem essas mãos
Solitárias e puras
Que eu sonhei ter.
Mariana
A consciência é como um espelho: às vezes embacia
A Cecília foi ao Reiki Universal buscar duas frases breves sobre a consciência
A consciência é uma janela através da qual nos é permitido ver tudo
O pior de todos os defeitos é não ter consciência deles
A Alexandra J. trouxe-nos "Asas" de José Fanha (um poema de 1985 in Cartas de Marear)
Nós nascemos para ter asas meus amigos.
Não se esqueçam de escrever por dentro do peito: nós nascemos para ter asas.
No entanto, em épocas remotas vieram com dedos pesados de ferrugem para gastar as nossas asas assim como se gastam tostões.
Cortaram-nos as asas como se fôssemos apenas operários obedientes, estudantes atenciosos, leitores ingénuos de notícias sensacionais, gente pouca, pouca e seca.
Apesar disso, sábios, estudiosos do arco-íris e de coisas transparentes, afirmam que as asas dos homens crescem mesmo depois de cortadas, e, novamente cortadas de novo voltam a ser.
Aceitemos essa hipótese, apesar de não termos dela qualquer confirmação prática.
Por hoje é tudo. Abram as janelas. Podem sair.
Da Alexandra F. uma frase de autor desconhecido
Às vezes, lavando as mãos, sujamos a consciência
A Paula trouxe a adaptação de um poema de Vitor Hugo
O homem pensa.

A mulher sonha.
Pensar é ter cérebro.
Sonhar é ter na fronte uma auréola.

O homem é um oceano.
A mulher é um lago.
O oceano tem a pérola que embeleza.
O lago tem a poesia que deslumbra.

O homem é a águia que voa.
A mulher, o rouxinol que canta.
Voar é dominar o espaço.
Cantar é conquistar a alma.

O homem tem um farol: a consciência.
A mulher tem uma estrela: a esperança.
O farol guia.
A esperança salva.

Enfim, o homem está colocado onde termina a terra.
A mulher, onde começa o céu!!!
L'homme et la femme

L'homme est la plus élevée des créatures; la femme est le plus sublime des idéaux.

Dieu a fait pour l'homme un trône; pour la femme un autel.
Le trône exalte; l'autel sanctifie.

L'homme est le cerveau, la femme le coeur.
Le cerveau fabrique la lumière; le coeur produit l'Amour. La lumière féconde; l'amour ressuscite.

L'homme est fort par la raison; la femme est invincible par les larmes.
La raison convainc; les larmes émeuvent.

L'homme est capable de tous les héroïsmes; la femme de tous les martyres.
L'héroïsme ennoblit; le martyre sublime.

L'homme a la suprématie; la femme la préférence.
La suprématie signifie la force; la préférence représente le droit.

L'homme est un génie, la femme un ange.
Le génie est incommensurable; l'ange indéfinissable.

L'aspiration de l'homme, c'est la suprême gloire;
l'aspiration de la femme, c'est l'extrême vertu.

La gloire fait tout ce qui est grand; la vertu fait tout ce qui est divin.

L'homme est un Code; la femme un Evangile.
Le Code corrige; l'Evangile parfait.

L'homme pense; la femme songe.
Penser, c'est avoir dans le crâne une larve;
songer, c'est avoir sur le front une auréole.

L'homme est un océan; la femme est un lac.
L'Océan a la perle qui orne; le lac, la poésie qui éclaire.

L'homme est un aigle qui vole; la femme est le rossignol qui chante.
Voler, c'est dominer l'espace; chanter, c'est conquérir l'Ame.

L'homme est un Temple; la femme est le Sanctuaire.
Devant le Temple nous nous découvrons; devant le Sanctuaire nous nous agenouillons.

Enfin: l'homme est placé où finit la terre; la femme où commence le ciel.

O Daniel também disse o que lhe ia na alma:
A minha consciência diz-me que se me aplicasse mais, teria melhores resultados
A Mila trouxe um poema de Fernando Sylvan (de Timor)
Todos já vimos
nos livros, nos jornais, no cinema e na televisão
retratos de meninas e meninos
a defender a liberdade de armas na mão.

Todos já vimos
nos livros, nos jornais, no cinema e na televisão
retratos de cadaveres de meninos e meninas
que morreram a defender a liberdade de armas na mão.

Todos já vimos!
E então?
O Fernando coloriu a consciência 
A consciência era verde e um burro comeu-a.
As coisas não querem mais ser vistas por pessoas razoáveis. Elas desejam ser olhadas de azul (Manoel de Barros)
(já alguma fizeram esta experiência? escrever o nome de uma cor com uma cor diferente não é fácil!)

A Helena R. trouxe de Ruy Belo "To Helena" (só as duas últimas estrofes... o resto fica para saborearem aqui)
Acabo de inventar um novo advérbio: helenamente
A maneira mais triste de se estar contente
a de estar mais sozinho em meio de mais gente
de mais tarde saber alguma coisa antecipadamente
Emotiva atitude de quem age friamente
inalterável forma de se ser sempre diferente
maneira mais complexa de viver mais simplesmente
de ser-se o mesmo sempre e ser surpreendente
de estar num sítio tanto mais se mais ausente
e mais ausente estar se mais presente
de mais perto se estar se mais distante
de sentir mais o frio em tempo quente
O modo mais saudável de se estar doente
de se ser verdadeiro e revelar-se que se mente
de mentir muito verdadeiramente
de dizer a verdade falsamente
de se mostrar profundo superficialmente
de ser-se o mais real sendo aparente
de menos agredir mais agressivamente
de ser-se singular se mais corrente
e mais contraditório quanto mais coerente
A via enviesada para ir-se em frente
a treda actuação de quem actua lealmente
e é tão impassível como comovente
O modo mais precário de ser mais permanente
de tentar tanto mais quanto menos se tente
de ser pacífico e ao mesmo tempo combatente
de estar mais no passado se mais no presente
de não se ter ninguém e ter em cada homem um parente
de ser tão insensível como quem mais sente
de melhor se curvar se altivamente
de perder a cabeça mas serenamente
de tudo perdoar e todos justiçar dente por dente
de tanto desistir e de ser tão constante
de articular melhor sendo menos fluente
e fazer maior mal quando se está mais inocente
É sob aspecto frágil revelar-se resistente
é para interessar-se ser indiferente
Quando helena recusa é que consente
se tão pouco perdoa é por ser indulgente
baixa os olhos se quer ser insolente
Ninguém é tão inconscientemente consciente
tão inconsequentemente consequente
Se em tantos dons abunda é por ser indigente
e só convence assim por não ser muito convincente
e melhor fundamenta o mais insubsistente
Acabo de inventar um novo advérbio: helenamente
O mar a terra o fumo a pedra simultaneamente
A Helena M. trouxe duas frases
Há no fundo das almas um princípio inato de justiça e de virtude, com o qual nós julgávamos as nossas ações e as dos outros como boas ou más; e é a este princípio que dou o nome de consciência 
(in Émile: ou de l'education - Volume 2, Página 350, Jean-Jacques Rousseau - Bélin, 1792)
A felicidade da vida depende da serenidade da nossa consciência

Sem comentários:

Enviar um comentário