Inscrições fechadas para a nova temporada 2019/2020

O Clube de Leitura em Voz Alta é agora Coro de Leitura em Voz Alta. Continua a ter uma periodicidade quinzenal e a acontecer na Biblioteca de Alcochete.

Os objectivos continuam a ser os mesmos; promover o prazer da leitura partilhada; a forma passou a ser outra.


Quer fazer um Clube de Leitura em Voz Alta? É muito fácil.

A leitura em voz alta, quando bem feita, é uma das melhores ferramentas da promoção da leitura. O PNL2027 e a Andante acreditam no poder da leitura e do livro, nos benefícios de ler em voz alta, de ler em comunidade.

Reconhecendo o valor deste trabalho, o PNL2027 convidou a Andante a partilhar a sua experiência com o Clube de Leitura em Voz Alta, de modo a que o modelo possa ser replicado e adaptado a cada caso.

Cristina Paiva, a actriz da Andante Associação Artística, explica-lhe tudo em cinco vídeos:



Tutorial 1- O que é um Clube de Leitura em Voz Alta?

Um Clube de Leitura em Voz Alta é um grupo de pessoas que se reúne regularmente para partilhar leituras em voz alta.

Qual é a diferença, então, de um outro Clube de Leitura? Neste, as pessoas mais do que discutirem um livro, um autor ou um tema, exercitam a sua capacidade de ler para os outros e de os seduzir para as suas leituras preferidas.

As competências leitoras desenvolvidas num grupo assim, tornam estes leitores melhores mediadores de leitura, melhores sedutores para os livros.

É fundamental que alguém conduza as sessões e que a duração de cada uma não exceda as duas horas (90 minutos é o ideal).

É importante também definir à partida a duração do Clube: seis meses, um ano, um período lectivo. E que quem quiser participar, entre no início e não a meio do trabalho.

O número ideal de participantes deverá andar entre os 15 e os 30.
Quando se abrem inscrições deve aceitar-se um número de pessoas superior àquele que se deseja (para suportar as quebras) e deve ser-se muito claro quanto à duração e objectivos.

A periodicidade depende de cada grupo. Quinzenal, parece estabelecer uma boa regularidade sem se impor demais na vida das pessoas, mas numa escola, fazê-lo uma vez por semana, talvez não seja demais. Há grupos que preferem fazê-lo mensalmente.

Um grupo de leitores (e de mediadores de leitura) deve ser tudo menos um espaço snob, exclusivo, soturno ou exibicionista de saberes. Todos se devem sentir parte desse colectivo e crescer com ele. Quem dirige o Clube deve ter muita atenção a todos e a cada um, para que todos tenham o seu tempo mas que ninguém o monopolize. Um ambiente descontraído, em que todos colaboram, é um meio mais fácil para conhecer novos textos, novos autores e novos modos de olhar o mundo.

Poderá realizar-se em qualquer lugar desde que haja uma sala com uma cadeira para cada pessoa: uma biblioteca, uma escola, uma sociedade cultural, etc.

Porquê um Clube de Leitura em Voz Alta? Veja o próximo vídeo.



Tutorial 2 - Porquê um Clube de Leitura em Voz Alta?

Porque podemos partilhar com os outros as nossas leituras preferidas numa situação protegida;

porque se praticam técnicas que tornam mais eficaz a nossa leitura em voz alta;

porque desenvolvemos a nossa capacidade crítica relativamente aos textos;

porque emprestamos à linguagem escrita, o nosso corpo, a nossa voz e a nossa emoção e com isso acrescentamos interesse à leitura;

porque seduzimos novos leitores pelo convívio, pelo desenvolvimento de competências para falar em público, pela descoberta de novos textos e autores.

Ou seja, porquê um Clube de leitura em voz alta? Porque aumentamos o número de bons leitores de uma comunidade.

Já não há o direito de colocar as palavras na boca antes de as meter na cabeça? Já não há ouvidos? Já não há música? Já não há saliva? As palavras já não sabem a nada? O que é que se passa? Não declamou Flaubert a sua Bovary em altos gritos, até furar os tímpanos? Não estará ele definitivamente melhor colocado do que qualquer outro para saber que a compreensão do texto passa pelo som das palavras, de onde deriva todo o seu sentido? Não saberia ele como ninguém, ele que tanto lutou contra a música intempestiva das sílabas, contra a tirania das cadências, que o sentido se pronuncia? Então? Textos mudos para puros espíritos? Rabelais, ajuda-me! Flaubert, Dosto, Kafka, Dickens, acudam-me! Gigantescos anunciadores de sentido, venham cá! Venham soprar nos nossos livros! As palavras precisam de corpo! Os nossos livros precisam de ter vida! “

Daniel Pennac

Quer saber como funciona um Clube de Leitura em Voz Alta? Veja o próximo vídeo.




 Tutorial 3 - Como funciona um Clube de Leitura em Voz Alta?

As leituras de cada sessão são subordinadas a um único tema. Todos os participantes lêem o texto que escolheram sobre esse tema, seja ele poesia, prosa ou ensaio.

Na primeira sessão do Clube os participantes escolhem um tema que escrevem num papel. Os papéis são guardados numa caixa e no final de cada sessão é sorteado um que será o tema de leitura da próxima.

Sobre esse tema, cada pessoa ou grupo de pessoas escolhe um texto curto e prepara-o para ler em voz alta, para todo o grupo, na sessão seguinte.

Cada um escolhe um tema que gostasse de ver tratado pela literatura. Quem lidera as sessões pode pedir que os participantes sejam criativos nos temas que escolhem para não se cair nos lugares comuns “primavera”, “sonho”, “amor”, etc.
Quando é sorteado o tema, quem dirige os trabalhos pode acrescentar interesse à escolha dos textos acrescentando um “obstáculo”, por exemplo: que os textos sejam só de autores do século XXI, ou só trazer crónicas, ou ainda que tem de ser lido em grupo. A criatividade na introdução de novos desafios faz com que o interesse do clube se mantenha.

Como antes da 1ª sessão ainda não há temas para sortear, esta deverá ser preparada pelo dinamizador com textos curtos previamente escolhidos e um modo de abordar a leitura simples e sedutor. Deverá também expor todas as questões relacionadas com o funcionamento: datas, horas, locais e meios de se comunicarem entre si.
Parece-nos fundamental reforçar a ideia de que o clube não serve para ler livros de auto ajuda, receitas culinárias, etc. mas sim literatura: romance, conto, crónica, poesia, ensaio. Parece-nos mais saudável para a vida do Clube impedir que as pessoas leiam textos próprios, não só porque pode criar alguns embaraços mas essencialmente porque quem lê o seu próprio texto está preocupado com tudo menos com as técnicas de ler bem, está mais preocupado se o seu texto é bem aceite e se torna num sucesso. Gerir egos não é fácil mas é essencial num grupo deste tipo.

MUITO IMPORTANTE: cada leitura não deve exceder os três minutos.
Se for preciso, adopta-se um cronómetro com sinal sonoro para os mais distraídos. A razão deste tempo aparentemente tão curto, é a de que as pessoas que leem em voz alta, em geral, têm tendência para gostar de se ouvir e como não se preparam tão convenientemente como um profissional, podem tornar num tédio o que se queria um prazer (para além de monopolizarem o tempo do grupo). Isto deve ser bem frisado na primeira sessão e reforçado sempre que necessário.

Para além disto o que há mais?

Há que trabalhar a exposição em público e vencer as barreiras existentes; mostrar de que livros e autores se gosta; ganhar consciência das capacidades próprias de expressão, corporais e vocais.

Quem conduz o grupo deverá em cada sessão fazer alguns exercícios: uns para reforçar a dinâmica do grupo e os laços entre todos e outros para trabalhar algumas técnicas de corpo, respiração, voz e expressão.

Eis alguns exemplos das técnicas que já usámos:

Integração
Fazer com que as pessoas aprendam os nomes uns dos outros:
- conversando em pares e posteriormente apresentando-se mutuamente;
- atirando uma bola a outro e dizendo o seu nome e depois o inverso, atirando a bola dizendo o nome do visado.

Respiração
- conseguir que o grupo respire junto no mesmo ritmo conduzindo o tempo de inspiração e expiração;
- ganhar consciência dos mecanismos da respiração para a poder controlar através de exercícios de respiração abdominal, torácica e mista;
- exercícios de impulsos diafragmáticos para ir trabalhando a projecção do som ( soprando com força) usando consoantes como “pssst” , “fffshhhhh” ou “qssssst”.

Articulação
Dizer trava línguas individualmente e em grupo. Ir acelerando para tornar mais difícil, interessante e engraçado o jogo.
Ex:
O peito do pé de Pedro é preto.
Quem disser que o peito do pé de Pedro é preto
tem o peito do pé mais preto
do que o peito do pé de Pedro.

Separar as palavras por sílabas e repeti-las algumas vezes até que não se voltem a cometer os mesmos erros de “comer” letras e se digam as palavras inteiras.

Expressão
Ganhar consciência da imagem que o corpo produz através de exercícios feitos em conjunto, a pares ou em grupos maiores: o jogo do espelho (a par, reproduzir os movimentos e expressões do parceiro) ou da estátua (montar uma escultura com o corpo dos outros), por exemplo.

Interpretação dos textos
Usar personagens tipo para interpretar os textos que escolhemos (uma criança, um vendedor, uma professora, uma velha, etc.);
usar contextos inusitados para inserir o texto criando assim mais camadas de leitura para quem ouve (um comício, um segredo, uma conversa de café, etc.).


Quer saber como se mantém o grupo? Veja o próximo vídeo.




Tutorial 4 – Como se mantém o grupo? Como evolui?

Ao fim de poucas sessões o Clube deixa de ser apenas um grupo de leitores para passar a ser um grupo de amigos leitores. Preocupamo-nos uns com os outros, organizamos actividades fora da biblioteca e dos horários normais, emprestamos livros uns aos outros, damos a conhecer autores que prezamos e fazemos apresentações públicas das nossas leituras.

As apresentações públicas são feitas normalmente no final do período definido para o Clube e são fundamentais. É quando o grupo se abre à comunidade, é quando novos membros se inscrevem, é quando a sedução é maior.
É importante acordar com o grupo o modo, o lugar, a data e público alvo destas apresentações.

E também... bolos. Sim, a festa é muito importante. Comer, beber, dançar, plantar árvores, ir a palestras e espectáculos, conhecer e dar a conhecer novos projectos de promoção da leitura. Fazemos disso um hábito tão bom como ler.

O Clube de leitura em Voz Alta é um espaço de liberdade, um lugar onde se podem criar laços e um escape ao stress do dia a dia.

O Clube de Leitura em Voz Alta pode ver-se de fora? Veja o próximo vídeo.

 

Tutorial 5 – O Clube de Leitura em Voz Alta pode ver-se de fora?

O Clube de Leitura em Voz alta pode e deve ver-se de fora.

É aconselhável fazer uma cobertura das sessões com fotos, vídeos e textos.

É importante deixar registado o que se fez, o que se leu em cada um dos temas, para que cada sessão não se esgote em si própria.

Hoje em dia há imensos canais e formatos onde esta informação poderá ser disponibilizada quer para todo o público, quer apenas para um grupo restrito.

E naturalmente as apresentações abertas à comunidade são a face mais visível do Clube.

Conselhos práticos para um bom Clube de Leitura em Voz Alta

- escolham textos curtos (máx. 3 minutos)

- vão à literatura (poesia e prosa) e deixem de fora a auto-ajuda e os “livrinhos de capa cor-de-rosa”

- as leituras terão de ser feitas a partir dos livros e não de textos retirados da internet

- cada um deve trabalhar bem a sua leitura antes de a apresentar ao grupo, de forma a causar maior impacto

- tentem sempre surpreender, quer através dos textos escolhidos, quer através da forma como os apresentam aos outros

- não permitam leituras de textos escritos pelo próprio. Trata-se de um Clube de Leitura e não de um Clube de escrita. A ideia é que as pessoas procurem textos sobre um tema e não que escrevam textos sobre o tema.

Com o grupo já consolidado podem inserir-se outras actividades que não terão de obedecer ao tema de leituras da sessão:

- Livro do dia – Sortear uma pessoa que na sessão seguinte será responsável por apresentar ao grupo, através de uma leitura em voz alta, um livro de que gostou muito.

- Autor desconhecido - Sortear uma pessoa que na sessão seguinte será responsável por apresentar ao grupo, através de uma leitura em voz alta, um livro de um autor que até essa data fosse para si desconhecido.

- Crónica humorística - Sortear uma pessoa que na sessão seguinte será responsável por apresentar ao grupo, através de uma leitura em voz alta, um texto humorístico.

- Feira do livro – Cada participante traz um livro e coloca-o à disposição do grupo
Mais informações:

O Clube de Leitura em voz alta de Alcochete tem um blogue que agora partilha com o Coro de Leitores, que pode ser visto aqui:

O Clube de Leitura em voz alta de Alcochete também já serviu de estudo.
João Duarte Victor, na sua pós graduação, escreveu “Formar o leitor público: contributos do teatro para o desenvolvimento da leitura em voz alta” que pode ser lido aqui

Em Fevereiro de 2017, o programa “Literatura aqui” dedicou algum tempo ao Clube de Leitura em voz alta de Alcochete. Pode assistir aqui ao programa, a reportagem sobre nós começa aos 13 minutos: 

A partir do Clube de Leitura em voz alta de Alcochete já se formaram outros clubes de leitura em voz alta em escolas e em bibliotecas. Por ser fácil de replicar, adaptando a cada circunstância e realidade, criaram-se clubes destes nas bibliotecas municipais de Tábua e da Sertã, numa escola de 1º ciclo em Alcochete e numa biblioteca escolar de Mafra, da EB João Dias Agudo. Estes são aqueles que conhecemos. Se o seu já está formado, partilhe connosco a sua experiência.

Se tiver alguma dúvida não hesite em contactar-nos através do e-mail andante@andante.com.pt

Boas leituras (em voz alta).



Fotos, vídeos e edição de Fernando Ladeira
(excepto um pequeno excerto do programa da RTP2 "Literatura aqui" e um outro do programa da Antena 3 "Prova Oral")
Logótipo do CLeVa de Américo Prata
O Clube de Leitura em Voz Alta de Alcochete tem o apoio da Biblioteca e do Município de Alcochete.

Sem comentários:

Enviar um comentário